Artigos Pedagógicos
  Avaliação Educacional
  Escola Digital
  Educação a Distância
  Educação Inclusiva
  Educação Infantil
  Estrutura do Ensino
  Filosofia da Educação
  Jovens e Adultos
  Pedagogia Empresarial
  Outros Assuntos
 História da Educação
 Linhas Pedagógicas
 Metodologia Científica
 Projetos/Planejamento
 Biografias
 Textos dos usuários

 Listar Todas
 Por Níveis
  Educação Infantil
  Ensino Fundamental I
  Ensino Fundamental II
 Por Disciplinas
  Matemática
  Língua Portuguesa
  Ciências
  Estudos Sociais
  Língua Inglesa
  Língua Espanhola

 Jogos On-line
 Desenhos para Colorir
 Contos e Poesias

 Glossário
 Laifis de Educação
 Estatuto da Criança
 Indicação de Livros
 Links Úteis
 Publique seu Artigo
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

2 - Como se preparar para essa guerra

Apesar dessa enxurrada de vagas, a vivência mostra a baixa participação de pedagogos em carreiras ditas genéricas, ou seja, que não exigem formação específica, ainda que essas carreiras atuem na área educativa,  e que em alguns casos pagam as melhores  remunerações. Seria esse fato um reflexo de um baixo nível de qualificação de nossos profissionais de pedagogia? Tenho certeza que não!  Nossos profissionais, pela sua atuação e pela vasta produção acadêmica no país, demonstram que tem um bom nível. Atribuo esse fato, em uma visão empírica, a uma falta da ancoragem da matriz curricular dos cursos de pedagogia para a atuação em ambientes extra-escolares, o que traz como consequência uma pouca bagagem nas disciplinas relacionadas ao mundo organizacional. Longe de ser uma crítica, gostaria que essa assertiva fosse vista como uma constatação que pode ampliar os horizontes da profissão. Triste constatação é observar que os concursos da área privilegiam a memorização e que poucos,  para não dizer nenhum, cobram em suas provas autores  e conceitos da pedagogia com uma visão mais reflexiva e emancipatória. Outras profissões também com um viés crítico-social, como o Serviço Social, tem autores dessa orientação presentes nas suas questões de concurso.

Em uma breve análise de algumas provas recentes, observamos que a cobrança nas provas de pedagogia se resume em dois grupos: o grupo para atuação escolar, cujas provas cobram basicamente classificações de tendências pedagógicas, conceitos vinculados a autores clássicos, didática, alfabetização, currículo, legislação e alguns temas da moda no campo escolar, tudo de forma bem superficial. As provas para uma atuação não-escolar, além de cobrarem um pouco do conteúdo anterior, nas suas partes específicas da profissão sempre privilegiam o Ensino a Distância, gestão do conhecimento, gestão de competências, conceito modernos de Recursos humanos, Psicologia Organizacional, andragogia, Comunicação organizacional entre outros. Pode-se ver que, somente na preparação para a parte específica, o "pedagogo médio" tem que buscar outros conhecimentos, buscando ampliar a extensão de seus saberes originários.

Outro grande obstáculo para o pedagogo são as matérias complementares, que geralmente envolvem Direito Administrativo, Direito Constitucional, Administração Pública, Informática e Raciocínio Lógico. Após anos de maturação, o nível dos candidatos bem preparados nessas disciplinas atualmente é altíssimo, o que demanda do aspirante a um cargo público uma dose maior de esforço, dado a pouca afinidade dessas disciplinas e a formação básica do pedagogo.

A decisão de se largar o ambiente escolar e encarar um concurso para uma outra área de atuação é difícil. Pode-se ver que os obstáculos são grandes, envolvendo até aspectos históricos, como são grandes também as possibilidades de acréscimo na remuneração e de vivência de novas experiências profissionais. É um grande desafio que merece sempre algumas considerações (veja BOX) sobre como se posicionar diante dele. Certamente, mesmo que não se obtenha a aprovação tão desejada, esses novos conhecimentos vão contribuir para a melhoria da prática nas atuais funções que desempenhamos.

3 - Conclusão

Em face desse quadro, não resta outra opção que não a de estudar muito, buscar bons cursos e bons professores, com muita dedicação e disciplina. As organizações públicas já sinalizaram que desejam os pedagogos em suas fileiras, face às mudanças estruturais comentadas anteriormente. As oportunidades não param, pois com o aumento do número de cursinhos e de concursandos, surge também à necessidade de um profissional que analise o material produzido, que oriente alunos e treine professores, o que pode ser um nicho ainda pouco explorado pelos profissionais da pedagogia.

O avanço da importância do conhecimento não irá parar. O saber será o "petróleo" da nova era! Como mineradores hábeis desse precioso bem, nós pedagogos devemos estar atentos e preparados, pois novos papéis se descortinam, sequiosos de um desempenho tão brilhante quanto o que demonstramos em nossas escolas.

Anterior   Próxima

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

 

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2014 Só Pedagogia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.