Artigos Pedagógicos
  Avaliação Educacional
  Escola Digital
  Educação a Distância
  Educação Inclusiva
  Educação Infantil
  Estrutura do Ensino
  Filosofia da Educação
  Jovens e Adultos
  Pedagogia Empresarial
  Outros Assuntos
 História da Educação
 Linhas Pedagógicas
 Metodologia Científica
 Projetos/Planejamento
 Biografias
 Textos dos usuários

 Listar Todas
 Por Níveis
  Educação Infantil
  Ensino Fundamental I
  Ensino Fundamental II
 Por Disciplinas
  Matemática
  Língua Portuguesa
  Ciências
  Estudos Sociais
  Língua Inglesa
  Língua Espanhola

 Jogos On-line
 Desenhos para Colorir
 Contos e Poesias

 Glossário
 Laifis de Educação
 Estatuto da Criança
 Indicação de Livros
 Links Úteis
 Publique seu Artigo
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

  
Educação Profissional e os Desafios para o Pedagogo

Autor: Rodrigo Ferreira de Souza
Data: 26/10/2010

Introdução

Quando ouvimos falar sobre o tema ensino profissionalizante, uma das primeiras impressões que nos vem à cabeça é, de que se trata de algo relacionado á um curso para trabalhadores, preparação de mão-de-obra, empregabilidade, entre outros, pois este é um conceito já consagrado não só nos grandes centros industrializados do país, mas também em países que também aderiram esta doutrina concebida junto às revoluções industriais, que ocorreram mundo a fora, entretanto nota-se que o conceito de educação profissional, nacionalmente supervisionado pela SETEC (Secretária de Educação Profissional e Tecnológica) vem ganhando espaço também no interior do país, destacando o estado de Mato Grosso no centro oeste brasileiro, onde a preparação e capacitação profissional acontecem em ritmo acelerado, considerando inclusive a afirmação do ex-presidente do Banco Central, Gustavo Loyola, pois segundo ele o estado de Mato Grosso irá manter o ritmo de crescimento superior á média nacional em 2010 e nos próximos anos, além de previsões otimistas o estado é impulsionado pela premissa de sediar a Copa do Mundo que acontecerá em Cuiabá no ano de 2014.

Portanto do ponto de vista sócio-pedagógico, pode-se afirmar que Mato Grosso irá vencer este desafio apenas se capacitar intensamente e com qualidade sua população, principalmente quanto à questão tecnológica voltada as indústrias de base, tais como Construção Civil, Manutenção e Prestação de serviços Elétricos e Mecânicos, e Automatização de Processos.

Entretanto visualizar o pedagogo trabalhando nessa linha, fazendo parte deste nicho de atitudes voltadas para o aprendizado e ensinamento de profissões, nos remete uma impressão um tanto quanto confusa, porém com um bom planejamento, e dedicação, os objetivos são possíveis de serem alcançados.


O Pedagogo e a Educação Profissional

Para o pedagogo, na primeira impressão é complicado se enxergar dentro do mundo da educação profissional, pois lá não existiam teóricas educativas aplicáveis com eficiência reconhecida, os profissionais da docência utilizam máquinas, equipamentos, aparelhos e ferramentas de trabalho pesado muitas vezes, instrumentos que um pedagogo, jamais imaginou existir em uma escola comum, no entanto atuar na capacitação de pessoas através da educação profissional também é função de pedagogo.

Esta afirmativa é válida, pois considera o profissional pedagogo como um elemento chave, no processo de gestão na educação profissional, ele é o principal responsável pelas atividades que focam praticar as técnicas industriais, baseado em conceitos práticos pedagógicos, e fundamentado pelas experiências e aplicações do método de ensino-aprendizagem vislumbrando as competências do aprendiz, o pedagogo além de bem vindo ao campo da educação profissional, também indispensável.

Coordenador Pedagógico de Educação Profissional

A função do pedagogo é coordenar uma busca constante por qualidade, atuar de acordo com a metodologia que permite disseminar a aprendizagem industrial, agindo desta maneira ele também será avaliador das competências que o mercado de trabalho exige do aluno após a conclusão do curso profissional, para que isso se torne realidade, é preciso estar atento as novidades e transmitindo sempre atitudes saudáveis para a sua respectiva equipe de trabalho.

O pedagogo disposto a atuar em educação profissional, não necessita ter conhecimento técnico especifico, dentre as diversas áreas abrangentes a indústria, porém se o mesmo provém de experiências em alguma das profissões industriais homologadas pela CBO (Classificação Brasileira de Ocupações), este pode se destacar consideravelmente, perante um pedagogo que não possui essa somatória no currículo, afinal a experiência técnica tende a colaborar fundamentalmente com o domínio do conhecimento especifico de cada ocupação, fato importante também no processo ensino-aprendizagem.

Para que o coordenador pedagógico de educação profissional saia-se bem em sua função, é preciso antes de tudo, conhecer sobre o processo com o qual irá lidar, a educação profissional é baseada nas técnicas operacionais, funcionais, e executivas de empresas, sendo essas industriais, comerciais ou de prestação de serviços, são áreas fins completamente novas para pedagogia, dessa forma o coordenador deve priorizar a formação da sua equipe técnico-pedagógica de modo que fique evidenciada a sua contribuição num processo administrativo de qualidade, pois não se trata apenas de administrar pessoas, mas sim administrar com pessoas, onde cada um tem sua importância no processo.

As instituições de ensino profissional cada vez mais procuram pessoas proativas, responsáveis, dinâmicas, inteligentes, com habilidades para solucionar dificuldades e tomar decisões. De acordo com esta perspectiva, é responsabilidade do coordenador identificar a necessidade de capacitação dos professores, além estimular que os mesmos busquem melhorar suas metodologias de ensino, conhecendo suas dificuldades, visando encontrar soluções que priorizem um trabalho educacional com qualidade, esta é uma das principais atividades desenvolvidas pela coordenação pedagógica.

Na educação profissional, não basta o coordenador pedagógico se limitar ao campo do conhecimento teórico, é preciso acompanhar o de perto o processo de aprendizagem, estimulando os professores, é necessário ter percepção e sensibilidade para identificar as necessidades dos alunos e dos docentes, buscando manter se sempre atualizado, com relação às novas tecnologias e tendências do mercado de trabalho, procurar fontes de informação e refletindo sobre sua prática dia-a-dia, firmar uma postura articulada junto à comunidade sindical e empresarial, porém é necessário destacar que este tipo de trabalho deve acontecer com a participação de todos, ou seja, o coordenador deve estar sempre pronto para possíveis mudanças e preparado para motivar sua equipe como um todo, desde seu gerente supervisor até seu auxiliar operacional, a motivação da equipe é fundamental.

  Próxima

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

 

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2014 Só Pedagogia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.