Artigos Pedagógicos
  Avaliação Educacional
  Escola Digital
  Educação a Distância
  Educação Inclusiva
  Educação Infantil
  Estrutura do Ensino
  Filosofia da Educação
  Jovens e Adultos
  Pedagogia Empresarial
  Outros Assuntos
 História da Educação
 Linhas Pedagógicas
 Metodologia Científica
 Projetos/Planejamento
 Biografias
 Textos dos usuários

 Listar Todas
 Por Níveis
  Educação Infantil
  Ensino Fundamental I
  Ensino Fundamental II
 Por Disciplinas
  Matemática
  Língua Portuguesa
  Ciências
  Estudos Sociais
  Língua Inglesa
  Língua Espanhola

 Jogos On-line
 Desenhos para Colorir
 Contos e Poesias

 Glossário
 Laifis de Educação
 Estatuto da Criança
 Indicação de Livros
 Links Úteis
 Publique seu Artigo
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

  
O Ensino da Matemática, por Meio de Recursos Pedagógicos, para os Portadores de Deficiência Auditiva do Ensino Fundamental de 1ª a 4ª Série

Autor: Danielle Sousa de Jesus, Jeanne Maria Pereira Costa e Rafaela Santos Serra
Data: 06/10/2010

RESUMO

A presença crescente, na rede regular de ensino, de crianças com necessidades especiais, exige antes de tudo, uma mudança de atitude, não só dos professores, mas de toda a comunidade escolar. Sendo preciso reconhecer, questionar e quebrar preconceitos, estimulando generosidade, acolhimento e respeito. Trata- se de uma questão de diversidade. A função educativa dos recursos metodológicos é ampla e livre, portanto, ele orienta as atividades do professor proporcionando segurança. Recursos metodológicos e escola complementam-se, pelo ponto de vista que ambos têm a função maior que favorece na criança estímulos necessário para o seu amadurecimento enquanto pessoa. Esses recursos fazem com que a criança seja estimulada a viver em sociedade, recebendo as influências destas e também sendo um agente transformador, compreendendo a necessidade de participação e ajuda. Este trabalho tem como proposta verificar se os recursos pedagógicos utilizados em sala de aula no ensino da matemática desenvolvem as habilidades e uma aprendizagem efetiva das crianças portadoras de deficiência auditiva.

1 INTRODUÇÃO

Recurso metodológico e escola complementam- se, pelo ponto de vista que ambos têm a função maior de favorecer a criança estímulos necessários para o seu amadurecimento enquanto pessoa. Esses recursos fazem com que a criança seja estimulada a viver em sociedade, recebendo as influências destas e também sendo um agente transformador, compreendendo a necessidade de participação e ajuda.

Segundo Botelho (2007, p.2) "todos os recursos físicos, utilizados com maior ou menor frequência em todas as disciplinas de estudos ou atividades, sejam quais forem às técnicas ou método empregado, visam auxiliar o educando a realizar sua aprendizagem, constituindo- se em um meio para facilitar o processo ensino aprendizagem."

De acordo com Brasil (2001, p.61) "os sistemas de ensino assegurarão aos educandos com necessidades especiais: currículos, métodos, técnicas, recursos educativos e organização específica para atender às suas necessidades."

Os recursos metodológicos possuem grande importância na vida das crianças, pois, quando se trabalha com os mesmos percebe- se que a forma de aprendizagem melhora o desenvolvimento do aluno seja, na escrita, na leitura ou no raciocínio lógico matemático melhorando sua auto- estima com produtividade e criatividade. Esses recursos são encaminhamentos que buscam favorecer a construção de linhas de ações e planejamentos pedagógicos, oferecendo orientações, sem, entretanto, estabelecer regras fixas a serem seguidas.

O emprego de recurso em sala de aula necessariamente se transforma em um meio para realização e alcances destes ou daqueles objetivos propostos, levando- se em conta que os recursos metodológicos destinam- se a seres em desenvolvimento e que o contexto em muito influencia. O valor emocional é uma forma de manter o recurso adequado às necessidades e interesse de cada aluno.

"O material pedagógico não deve ser visto como um objeto estático sem igual para todos os sujeitos. O material pedagógico é um objeto dinâmico que se altera em função da cadeia simbólica imaginária do aluno". (KISHIMOTO, 1996, P.128)

 2 DEFICIÊNCIA AUDITIVA

Deficiência auditiva é a incapacidade parcial ou total de audição. Pode ser de nascença ou causada posteriormente por doenças.

No passado, costumava-se achar que a surdez era acompanhada por algum tipo de déficit de inteligência. Entretanto, com a inclusão dos surdos no processo educativo, compreendeu-se que eles, em sua maioria, não tinham a possibilidade de desenvolver a inteligência em virtude dos poucos estímulos que recebiam e que isto era devido à dificuldade de comunicação entre surdos e ouvintes. Porém, o desenvolvimento das diversas línguas de sinais e o trabalho de ensino das línguas orais permitiram aos surdos os meios de desenvolvimento de sua inteligência.

A deficiência auditiva pode ser classificada como: deficiência de transmissão ? quando o problema se localiza no ouvido externo ou no ouvido médio; deficiência mista ? quando o problema se localiza no ouvido médio. E deficiência interna ou sensório neural ? quando se origina no ouvido interno e no nervo auditivo. Ela se manifesta como:

  • Surdez leve/ moderada: perda auditiva de até 70 decibéis, que dificulta, mas não impede o individuo de se expressar oralmente, bem como de perceber a voz humana, com ou sem a utilização de um aparelho auditivo; 
  • Surdez severa/ profunda: perda auditiva acima de 70 decibéis, que impede o individuo de entender, com ou sem aparelho auditivo, a voz humana, bem como de adquirir, naturalmente, o código da língua oral.

3 RECURSOS PEDAGÓGICOS

Constantemente utilizado por professores e alunos o recurso pedagógico tornou-se um instrumento comum para o trabalho ensino. Embora sua utilização seja frequente e seja um instrumento de uso comum para professores e alunos, o recurso pedagógico traz diferentes graus de complexidade sobre aspectos inerentes que dizem respeito às possibilidades de aprendizagem encerradas no recurso.

O recurso pedagógico relaciona-se a "algo" concreto, um objeto concreto. Assim, pautado nessa definição, entende-se que uma brincadeira não seria um recurso, mas, sim, o brinquedo; um jogo não seria um recurso, mas as peças desse jogo, pois, ao se analisar a própria palavra jogo, constata-se que ela traz implícita a idéia da utilização das peças para uma atividade. Dessa forma, a definição de recurso se assemelha mais a um estímulo concreto que possa ser manipulável. Além disso, esse estímulo deverá ter uma finalidade, ou seja, deverá a esse estímulo ser atribuída a finalidade pedagógica.

Essa definição engloba diversos materiais desde que estes sejam objetos físicos, concretos, manipuláveis e utilizados com finalidade pedagógica. Fundamentados nessa definição, pode-se dizer que um apagador pode ser um recurso pedagógico, bem como, um computador, pois ambos possuem propriedades manipuláveis e podem conter uma finalidade pedagógica.

Podem-se apontar duas direções para utilizar o recurso pedagógico no processo de ensino. A primeira seria a avaliação, a segunda o ensino propriamente dito.

  Próxima

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

 

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2014 Só Pedagogia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.