Artigos Pedagógicos
  Avaliação Educacional
  Escola Digital
  Educação a Distância
  Educação Inclusiva
  Educação Infantil
  Estrutura do Ensino
  Filosofia da Educação
  Jovens e Adultos
  Pedagogia Empresarial
  Outros Assuntos
 História da Educação
 Linhas Pedagógicas
 Metodologia Científica
 Projetos/Planejamento
 Biografias
 Textos dos usuários

 Listar Todas
 Por Níveis
  Educação Infantil
  Ensino Fundamental I
  Ensino Fundamental II
 Por Disciplinas
  Matemática
  Língua Portuguesa
  Ciências
  Estudos Sociais
  Língua Inglesa
  Língua Espanhola

 Jogos On-line
 Desenhos para Colorir
 Contos e Poesias

 Glossário
 Laifis de Educação
 Estatuto da Criança
 Indicação de Livros
 Links Úteis
 Publique seu Artigo
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

  
Por que é tão Difícil o Professor Unir Teoria e Prática?

Autor: Salatiel da Rocha Gomes
Data: 20/10/2011

Resumo

Trata-se de um artigo que vem refletir a despeito da  teoria e prática na educação, mais precisamente na dissociação entre elas. De maneira geral, a ação pedagógica do professor deve ser executada a partir de uma teoria e/ou tendência pedagógica, sobretudo, na prática nem sempre acontece assim; de um lado há um ativismo prejudicial; de outro o velho blá-blá-blá descontextualizado. O que  acreditamos é que o professor precisa encontrar meios para melhorar sua ação, apesar dos problemas que ele enfrenta durante seu ofício. No exercício de sua profissão, o mesmo sentirá dificuldades de unir aquilo que aprendeu durante seu curso de formação com a realidade da sala de aula, sobretudo, caberá ao professor tentar unir e reelaborar esse conhecimento a partir de sua própria prática. É um caminho que se fará durante o caminhar....durante seu ofício.

Pensando em educação...

O conceito de que a educação possibilita  o exercício  da cidadania e justiça social é clássico;  principalmente no sentido da inserção social, cultura , emancipação do indivíduo e tantos outras formas de interação social que "dignificam" uns e "segregam" outros. A palavra educação, segundo o dicionário Aurélio, vem do latim educatione, que tem é conceituado como o "Processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral da criança e do ser humano em geral, visando à sua melhor integração individual e social". Nesse constructo, pensar em educação formal é pensar na escola e seus processos formativos. Quanto ao conceito da escola como construtora de possibilidades, Candau (2008) diz que um dos grandes trunfos da legitimação dessa escola tem sido o seu papel de formadora de identidades, sejam individuais, sociais e, principalmente, culturais.

Quando desenhamos a escola em todas as suas dimensões, principalmente a  administrativo-pedagógico, buscamos compreendê-la a partir, prioritariamente, no aspecto do ensino. E nesse ponto, o grande questionamento que se tem é por que é tão difícil unir prática e teoria.

Teoria e prática: Uma intersecção complexa de pesquisa, técnica e arte

As teorias educacionais não foram criadas em minutos, nem tampouco por pessoas despreparadas ou sem vínculos com a educação. Quem as criou, certamente possuem  legados de experiência e de pesquisa que corroboraram suas teorias. A pesquisa em educação requer o olhar da prática. Na cultura Japonesa, isso quer dizer Gemba, que significa grosso modo: ir ao local onde ocorre o fato, sendo ele ou não um problema.

É comum ouvirmos comentário de profissionais da área de educação que "a teoria na prática é outra". Ora, se a teoria foi escrita a partir de uma prática, quais são as dissociações entre elas?

Edgar Morim, em linhas gerais,  relata que há uma complexidade crescente para uma compreensão retardada. Será que os pesquisadores e/ou universidades não conseguem acompanhar as mudanças que estão ocorrendo dentro do espaço da escola?

Cientificamente, a teoria é resultado de uma prática, e mesmo que o educador afirme que a teoria na prática é outra, a teoria foi escrita a partir de estudos da prática. É interessante Saviani (2008), quando afirma que,

O que se opõe de modo excludente à teoria não é a prática, mas o ativismo. E o que se põe de modo excludente à prática é o verbalismo e não a teoria. Pois o ativismo é a "prática" sem teoria e o verbalismo é "teoria" sem prática. Isto é : o verbalismo é o falar por falar, o blá-blá-blá, o culto da palavra oca; e o ativismo é a ação pela ação, a prática cega, o agir sem rumo claro, a prática sem objetivo. Portanto, o objeto da pedagogia é a práxis educativa, vale dizer, a unidade teoria-prática.

Nisso, portanto, podemos afirmar que se a prática do professor não foi pensada, planejada e organizada, se tornará um mero ativismo, contribuindo, para as deficiências no processo de aprendizagem. Os dois extremos não podem existir, nem o ativismo, nem tampouco o verbalismo. O pensamento que se deve existir é a intersecção teoria e prática, em moldes, inclusive, de reformulações, inovações e pesquisa. No universo da escola, percebemos, no entanto, situações que nos levam a pensar se as teorias da educação são exequíveis.

  Próxima

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

 

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2014 Só Pedagogia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.