Você está em Artigos

O Papel do Professor na Promoção da Aprendizagem Significativa

Autor: Júlio César Furtado dos Santos
Data: 09/07/2008

O presente artigo pretende fazer uma descrição dos procedimentos do professor diante da tarefa de promover a aprendizagem significativa. Partindo de uma rápida reflexão sobre o contexto atual do processo de aprender, faz um relato das principais atitudes que o professor deve adotar para de fato promover a aprendizagem significativa de seus alunos.

Palavras-chave: aprendizagem significativa, atitudes do professor.

The present article intends to do a description of the teacher's procedures, dealing with the task of promoting the meaningful learing. Starting from a brief reflection on the current learning context, it relates the main attitudes a teacher must adopt to promote a meaningful learning to his students.

Key-words: meaningful learning, teacher´s attitudes.

A idéia de que o mundo está pronto e de que nele reside a reserva de conhecimento (igualmente pronto) que precisamos adquirir construiu e manteve, durante séculos, uma escola totalmente adaptada a esse modelo. Descrever o mundo, seus fenômenos e processos e caracterizar os métodos e técnicas de intervenção nesse mundo sempre foi o principal papel da escola. Tudo sempre esteve muito bem "arrumadinho": professor ensina algo inquestionável, aluno aprende e reproduz exatamente como aprendeu e todos são felizes para sempre, como nos contos de fada. Esse conto, porém, continua e depois do "final feliz", tem início um período sombrio, recheado de incertezas, novos paradigmas e impulsionado pela mudança cada vez mais intensa e freqüente.

A concepção socioconstrutivista de conhecimento instalou o pânico nas salas de aula. Como abrir mão de um referencial de conhecimento enquanto poder e desconstruir toda uma perspectiva de objetividade? Como deixar de ser um bom professor porque sabe o conteúdo e passar a ser um bom professor porque sabe facilitar a aprendizagem? Como aprender uma postura transcultural, fenomenológica e dialógica diante do aluno? Como conjugar na prática o verbo interagir? Essas questões estão na base da construção do real papel do professor diante de uma aprendizagem significativa.

Alguns comportamentos essenciais marcam essa postura e colaboram para garantir uma aprendizagem significativa. Vamos analisá-los:

Pare de dar aulas!

Por mais estranho que possa parecer, esse é o principal comportamento a ser adquirido. Paulo Afonso Caruso Ronca (1996) faz o questionamento perfeito sobre essa situação: "Se o papel do professor é dar aulas, enquanto ele dá a sua aula, o aluno faz o quê?" A expressão "dar aula" é fruto da era do "mundo pronto". Num contexto de mundo inacabado e em constante mudança, nós não temos nenhuma aula a "dar", mas sim, a construir, junto com o aluno. O aluno precisa ser o personagem principal dessa novela chamada aprendizagem. Já não tem mais sentido continuarmos a escrever, dirigir e atuar nessa novela unilateral, na qual o personagem principal fica sentado no sofá, estático e passivo, assistindo, na maioria das vezes, a cenas que ele não entende. As novelas "de verdade" já estão incluindo o telespectador em seus enredos, basta observarmos a freqüência de pesquisas populares que norteiam o autor na composição de personagens e definição dos rumos da estória.

Dar aula cansa, frustra e adoece. Cansa porque precisamos manter os alunos quietos e prestando atenção em algo que eles, geralmente, não sentem a mínima necessidade de aprender. Para que eles supostamente aprendam (leia-se fiquem quietos, olhando para o professor), muitas vezes desprendemos uma energia sobre-humana, que vem geralmente acompanhada de frustração e desespero. A doença é conseqüência direta dessa situação.

Pare de dar respostas!

Aprender é fruto de esforço. Esse esforço precisa ser a busca de uma solução, de uma resposta que nos satisfaça e nos reequilibre. Na medida em que nos preocupamos mais em dar respostas do que fazer perguntas, estaremos evitando que o aluno faça o necessário esforço para aprender. Eis o passaporte para a acomodação cognitiva. Dar a resposta é contar o final do filme. Poupa o sofrimento de vivenciar a angústia de imaginar diferentes e possíveis situações, de exercitar o modelo de ensaio-e-erro, enfim, poupa o aluno do exercício da aprendizagem significativa.

Num contexto de "mundo pronto", a resposta fazia sentido. Num contexto de "mundo em construção", a resposta impede a aprendizagem. Além de que, a perspectiva do vir-a-ser exige busca constante. Se num mundo dinâmico paramos de buscar, saímos da sintonia desse mundo e nos desconectamos do processo global de desenvolvimento.

Diante dessa realidade, o desejo, a vontade, a curiosidade e a disponibilidade interna para aprender ganham especial importância. Segundo Freinet, está fadado ao fracasso todo método que tentar fazer beber água o cavalo que não tem sede. Essa máxima nos remete à profunda reflexão sobre a importância do papel do sujeito que aprende. Mais ainda, remete-nos à reflexão sobre o papel do professor como "provocador da sede".

Na escola, informações são passadas sem que os alunos tenham necessidade delas. Logo, nossa função principal como professores é de gerar questionamentos, dúvidas, criar necessidades e não apresentar respostas.

  Próxima
Como referenciar: "O Papel do Professor na Promoção da Aprendizagem Significativa" em Só Pedagogia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2019. Consultado em 20/08/2019 às 20:23. Disponível na Internet em http://www.pedagogia.com.br/artigos/aprendizagemsig/