Você está em Artigos

PCNS - Uma Referência a ser Seguida!

Autor: Eduardo Pereira Dutra
Data: 23/07/2010

Como, atualmente, está sendo ensinada a matemática? Como deveríamos ensiná-la?

Como abordá-la em uma prova/concurso?

Estas perguntas leva-nos a refletir, visto que encontramos; infelizmente, professores desatualizados e até mesmo desacreditados no ensino da matemática, alunos desmotivados em aprender e encontramos, também, questões em concursos, ou mesmo em provas bimestrais de nossos alunos que estão em uma realidade totalmente contrária ao que prevê nos PCN'S, indo de encontro a uma matemática mecanizada.

O objetivo deste texto é incentivar os nossos brilhantes professores de matemática a ensiná-la e abordá-la de maneira prazerosa, com entusiasmo, fazendo com que os alunos fiquem deslumbrados com a maravilha desta disciplina.

Para desenvolver este trabalho, utilizaremos tópicos.

1. O previsto (alguns tópicos relevantes):

''É importante destacar que a Matemática deverá ser vista pelo aluno como um conhecimento que pode favorecer o desenvolvimento do seu raciocínio, de sua sensibilidade expressiva, de sua sensibilidade estética e de sua imaginação'' (PCN's,1997)


''...é importante que a Matemática desempenhe, equilibrada e indissociavelmente, seu papel na formação de capacidades intelectuais, na estruturação do pensamento, na agilização do raciocínio dedutivo do aluno, na sua aplicação a problemas, situações da vida cotidiana e atividades do mundo do trabalho e no apoio à construção de conhecimentos em outras áreas curriculares.''E mais adiante: '' Falar em formação básica para a cidadania significa falar em inserção das pessoas no mundo do trabalho, das relações sociais e da cultura, no âmbito da sociedade brasileira (MEC/SEF,1997,p.29).

2. Idéias básicas extraídas dos os Parâmetros Curriculares Nacionais em Matemática, a saber:

  •  eliminação do ensino mecânico da Matemática;
  • prioridade para a resolução de problemas;
  • uso da história da Matemática como auxiliar na compreensão de conceitos matemáticos;
  • uso de recursos didáticos (calculadoras, computadores, jogos) durante todo
  • Ensino Fundamental.

3. A realidade:

Sabe-se que a típica aula de Matemática a nível de primeiro, segundo ou terceiro graus, ainda, é uma aula expositiva, em que o professor passa para o quadro ou expõe aquilo que ele julga importante. O aluno, por sua vez, copia para seu caderno e em seguida procura fazer exercícios de aplicação, que nada mais são do que uma repetição na aplicação de um modelo de solução apresentado pelo professor. Alunos passam a acreditar que a aprendizagem de matemática se dá através de um acúmulo de fórmulas e algorítmos; aliás, nossos alunos hoje acreditam que fazer matemática é seguir regras e aplicar regras. Regras essas que foram transmitidas pelo professor.

Agindo desta maneira, é bastante comum o aluno desistir de solucionar um problema matemático, afirmando não ter aprendido, ainda, como resolver aquele tipo de questão, quando não consegue reconhecer qual o algoritmo ou processo de solução apropriado para aquele problema, levando o aluno/ensino ao FRACASSO.

Um exemplo de exercício mecanizado e ainda abordado em concursos nos dias de hoje e que não exige nada mais do que um modelo a ser seguido e que contraria, totalmente o que preconiza os PCN´S é apresentado abaixo:

"Considere as equações log (3x2 - 8) = 2 e [3x - 5] = 4. A soma de todas as raízes dessas equações é uma fração cujo denominador é 3 e numerador
a) 25
b) 20
c) 16
d) 10. "

  Próxima
Como referenciar: "PCNS - Uma Referência a ser Seguida!" em Só Pedagogia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2019. Consultado em 06/12/2019 às 21:10. Disponível na Internet em http://www.pedagogia.com.br/artigos/pcns1/