Você está em Artigos

As Práticas Educativas na Educação de Jovens e Adultos

Autor: Gleiciane Vieira da Silva e Kelen Santos Conrado De Souza
Data: 17/09/2015

RESUMO: A pesquisa vem falar sobre as práticas educativas na educação de jovens e adultos, como os professores podem melhor atender esses alunos, levando em conta suas necessidades, seus anseios. Onde será possível compreender mais afundo a vida desses educandos, o que desejam, o que vão buscar na escola, proporcionando superação, aumentando a autoestima, o conhecimento, a sua capacidade de reflexão e criticidade. O trabalho teve como objetivo um melhor aprofundamento sobre a concepção de ensino da eja, onde deve partir dos conhecimentos que o indivíduo já traz consigo, de suas vivências, levando em conta sua experiência o seu cotidiano. Foram utilizados para o desenvolvimento da pesquisa, pesquisa bibliográfica sobre autores que convergem sobre assunto, através de uma profunda reflexão sobre a modalidade. Através da pesquisa foram obtidos resultados de grande importância, foi possível compreender concepções ainda adotadas na eja nos dias atuais, através disso, como educador ser possível mudar a realidade desses alunos, tornando-os cidadãos críticos e reflexivos.


Palavras-chave: EJA. Aluno. Professor
                                              
 
INTRODUÇÃO


Durante muito tempo a educação de jovens e adultos no Brasil tem sido alvo de discussões, por diversos intelectuais e também por programas educacionais. Por muito tempo essa modalidade de educação foi alvo de interesse das classes dominantes.

A EJA não era uma modalidade que visava total formação de um cidadão crítico, autônomo e reflexivo. Um dos maiores interesses era o de erradicar o analfabetismo no Brasil, isso se deve a vários motivos sendo um dos principais o capitalismo no Brasil, onde era preciso alfabetizar o cidadão para contribuir com mão de obra em indústrias, não havendo interesse em formar um cidadão crítico reflexivo, capaz de lutar por seus direitos, para mudar a sociedade, até mesmo sua realidade muitas vezes dura. Nesse período alguns educadores pensavam o contrário disso, podemos citar Freire com sua pedagogia libertadora, um dos principais educadores da época.

Através disso a pesquisa veio mostrar algumas práticas educativas adotadas na EJA, visando uma mudança de métodos nessa modalidade. Na EJA é preciso que o professor leve em conta o cotidiano do aluno, valorizando suas vivências.

Ainda que o aluno não seja alfabetizado na EJA, ele é conhecedor de vários assuntos, sendo assim esses alunos não devem ser tratados como criança, a metodologia deve e precisa ser diferenciada das crianças, é preciso pensar em métodos onde esse aluno pense de forma critica, onde se torne um cidadão autônomo.

O aluno que frequenta a EJA, por vários motivos não frequentou a escola, uma das causas era a falta de recursos, pois durante muito tempo a maioria da população era rural, sendo muito difícil o acesso à escola.

Esses alunos são maioria pais de família, pessoas que trabalham muito durante o dia, quando chegam às aulas, muitas vezes se deparam com aulas simples, cansativas, onde o professor apenas repassa o conteúdo de forma mecânica, para que seja memorizado.

O professor precisa pensar em aulas reflexivas, onde permita ao aluno pensar diferente dos livros se assim desejar. A EJA precisa ir além da transmissão de conteúdos, é preciso ensinar o aluno a ir além disso, possibilitando um novo rumo em sua vida.

Estamos no século XXI, nesse sentido com tantos avanços tecnológicos, é preciso possibilitar que esses alunos tomem posse do conhecimento de forma ampla, que possam visualizar o mundo de outra maneira, com um novo olhar observador.

E difícil pensar na EJA sem concluir que são pessoas que por algum motivo não frequentaram a escola, ou pouco frequentaram, sendo assim, cabe ao professor, a escola, dar um novo rumo a essa modalidade. E na escola que se da maior parte do processo de conhecimento do sujeito, sendo assim a EJA precisa do conhecimento intelectual que a escola pode proporcionar.

Cabe à escola evoluir, pensar diferente também, inovando cada dia mais, estar atenta ao que esta acontecendo na atualidade. A escola não pode mais pensar em modelos tradicionais, onde apenas era pensado em alfabetizar o aluno para o trabalho, sendo alvo do interesse das classes dominantes, é preciso proporcionar novos caminhos a esses alunos. A escola continua sendo o espaço onde todo indivíduo precisa se inserir para tomar posse de certos conhecimentos.

O aluno da EJA precisa de autonomia, essa autonomia o professor pode dar ou tirar desse aluno, sendo assim todo e qualquer trabalho docente necessita de reflexão, é preciso pensar diariamente no trabalho que está sendo exercido, se realmente está contribuindo para formação do educando.

São reflexões necessárias que devem ser feitas continuamente, pesquisando, fazendo buscas, se atualizando. Essa tarefa cabe ao professor, de proporcionar cada vez mais conhecimentos aos alunos, possibilitando uma melhor aprendizagem.

Muitos professores ainda hoje tem receio em falar sobre política na escola, algo que não deveria acontecer, pois os professores estão formando alunos para pensar, mudar a sociedade. Sendo assim o professor precisa mais uma vez rever seus conceitos e valores, questionar a si próprio. Para que seu trabalho não seja uma mera transmissão de conhecimentos.

  Próxima
Como referenciar: " As Práticas Educativas na Educação de Jovens e Adultos" em Só Pedagogia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2019. Consultado em 17/02/2019 às 22:01. Disponível na Internet em http://www.pedagogia.com.br/artigos/as_praticas_educativas/