Você está em Artigos

Estudo Sobre a Importância da Brinquedoteca no Ambiente Escolar como Espaço Mediador de Aprendizagens, Sob o Ponto de Vista dos Professores da Rede Municipal de Ensino do Cornélio Procópio (página 5)

Além de todos os objetivos delineados, Caneiro (2006, p. 2) reforça dizendo que, a "brinquedoteca prepara o espaço do 'faz-de-conta' para que seu ambiente seja impregnado de criatividade, de manifestações de afeto e de apreciação pela infância, a tal ponto que a criança se sinta esperada e bem-vinda".

Ao distorcer o real significado deste espaço, corrompe-se a formação humana na infância, que reduz o saber à reprodução de saberes impostos pelos adultos, sem expressões de vida própria das crianças.

De forma mais fundamentada, a Deputada Luiza Erundina (2005, p. 15) durante o Seminário Nacional sobre Brinquedoteca sustenta que, "a brinquedoteca além de muitos brinquedos, também proporciona muitas vivências e aprendizagens sob vários aspectos que as enriquecem o tempo todo", e permite a valorização das emoções e da sensibilidade, sem condições ou perspectivas predefinidas. Dando continuidade as suas declarações, Luiza Erundina (2005, p. 16) reforça o conceito de Brinquedoteca como, "espaço destinado para oportunização do brincar livre e espontâneo, oportunizando momentos de agir sem a espera de resultados; diz-se que esta é símbolo de uma nova postura de existências, que rompe paradigmas".

Não diferente, Kishimoto (1999 apud Souza 2008, s/p) definiu a Brinquedoteca em inauguração do Museu do Brinquedo da Universidade Federal de Santa Catarina como, "espaço de animação sociocultural que é encarregado da transmissão da cultura infantil como também pelo desenvolvimento da socialização, integração social e construções das representações infantis".

Vale lembrar, por mais que a Brinquedoteca seja um local ideal para trabalhar o lúdico de forma saudável e prazerosa, esta não cumprirá sua real função se não houver a "alma de poeta e educador" e presença de um intermediário, o "brinquedista", que atua mediando às situações e ações lúdicas com a criança, como defende Noffs (2001, p. 173),

[...] a brinquedoteca é um espaço onde o conhecimento a ser adquirido tem possibilidade de ser trabalhado em suas significações e o conhecimento já adquirido tem a possibilidade de ser ressignificado, permitindo dessa forma o desenvolvimento integral, harmonioso e a aprendizagem infinita da criança, sob a mediação do profissional deste espaço, o educador-brinquedista.


Em suma, compreendemos a Brinquedoteca como espaço à estimulação de pessoas das mais diversas faixas etárias. Local que oferta diversos brinquedos num ambiente propício à ludicidade, com liberdade, sentido, ou seja, um mundo de fantasia, que estimula o imaginário dos usuários, que leva-os a viver de forma prazerosa e saudável. Por conseguinte, consideramos que também se aprende.

3 CONCEPÇÕES E OBJETIVOS EDUCACIONAIS ATUAIS SOBRE A BRINQUEDOTECA

"Brinquedoteca, espaço criado para favorecer a brincadeira.
(CUNHA, 2001)".

Nos últimos anos, a tecnologia e a ciência obtiveram avanços significativos sob todos os âmbitos, refletidos na sociedade atual. Mas, no que tange à infância e o desenvolvimento da criança, houve progressos e regressos.

O brincar, por exemplo, faz parte e interfere no desenvolvimento das crianças, e progressivamente, estudiosos da área da Psicologia, da Pedagogia e outras ciências, reconheceram a relevância do brincar para o desenvolvimento global das crianças. Todavia, ocorreram regressos quanto ao espaço, tempo, objetos, condições de segurança, de liberdade e o convívio social que comprometeram as brincadeiras na fase infantil devido ao surgimento da modernidade e avanços tecnológicos.

A sobrecarga de funções na infância consolida precocemente a maturação dos "pequeninos", devido ao acúmulo de responsabilidades geradas pelos pais e sociedade, elegendo prioridades consideradas por eles mais importantes que o brincar, como: informática, aulas de línguas, cursos de músicas, entre outros. Não desmerecendo os benefícios destas atividades citadas, mas, não permitir um momento de sua vida cotidiana para brincadeiras lúdicas na infância impede a liberação de energias acumuladas e tensões, que levam as crianças a apresentar problemas de saúde relacionados ao estresse por sobrecarga de tarefas.

Em vista disso, Puga e Silva (2008, p. 5) explicam que, aceleradamente, "nas últimas décadas o avanço tecnológico e científico decorreram transformações importantes na sociedade". Isto acentua se considerarmos as pesquisas realizadas que conscientizaram os educadores da importância do brincar ao desenvolvimento integral das crianças e a qualidade e segurança dos brinquedos.

No entanto, as escolas também acabaram seguindo as transformações e imposições da sociedade e permitem que as brincadeiras fiquem no esquecimento ou sejam vistas como "perda de tempo", substituindo-as por atividades diretivas, consideradas mais produtivas.

Mas, as ideologias educacionais atuais, de acordo com Puga e Silva (2008, p. 1) mostram que,

[...] iniciativas buscam resgatar os brinquedos e o brincar no seu sentido mais amplo, que são as brinquedotecas, estrutura física e social que tem como principal objetivo a promoção do desenvolvimento de atividades lúdicas e o empréstimo de brinquedos e materiais de jogo..

Cabe então, uma reflexão dos educadores na atualidade, sobre o resgate da Brinquedoteca enquanto lugar da criança para a brincadeira, exercida com liberdade e espontaneidade essencial e inerente ao ser humano. Complementa-se que, na sociedade atual as pessoas precisam exercer sua capacidade para o lúdico, e a Brinquedoteca poderia ser o ambiente ideal para estimular o prazer de brincar e a ludicidade.

Conforme a visão moderna de Brinquedoteca apresentada por Balthazar e Fischer (2006, p. 123), é necessário de repensar a presença deste espaço na escola e, "ater-se também na atualização do acervo de brinquedos, incluindo os tecnológicos, pois a criança não deve ser privada da cultura lúdica do mundo em que vive".

Contudo, conceber a Brinquedoteca no meio educacional como território destinado unicamente para suprir a falta de material didático-pedagógico, composto de objetos vazios de significação social, tornando o brincar diretivo com objetivos previstos, deturpa totalmente a concepção do brincar neste espaço.

Oportunamente, a Brinquedoteca deve destinar-se à formação e construção da cultura lúdica, com inclusão de pessoas de todas as idades, gêneros e classe social e disposição ao brincar/aprender, de forma livre e prazerosa, com o manuseio de brinquedos, porém sob a supervisão ou mediação de um especialista, como o "brinquedista" ou o docente que conheça a essencia e a função lúdica deste espaço.
 A disseminação rápida das Brinquedotecas, ocasionou numa diversidade nos modos de concebê-la e nas funções a ela destinados. Conforme Santos (1995, p. 9),

[...] as brinquedotecas classificam-se em função de diferentes fatores, entre eles, a situação geográfica, as tradições e as culturas de cada povo, o sistema educacional, os materiais e espaços disponíveis, os valores, as crenças e os serviços prestados; entretanto, independente de cada tipo, é sempre preservado o aspecto lúdico como fator primordial que assegura o direito da criança de brincar.


De acordo com as pesquisas realizadas por Balthazar e Fischer (2006, p. 124) sobre Brinquedotecas na escola, notaram certa limitação nos atendimentos das instituições educacionais. Elas utilizam o espaço para suprir necessidades de material pedagógico, com objetos dispostos numa sala, separadamente ou na própria sala de aula, caracterizando-o como espaço para brincar. Desse modo, deturpa-se a essência deste, restringindo o brincar livremente e as ações socioafetivas e cognitivas do educando.
 

Fantin (2000, p. 84) destaca que,

[...] é preciso romper com o mito do brinquedo educativo porque [...] ele não cumpre os critérios mínimos para ser considerado como uma brincadeira propriamente dita; é material didático ou pedagógico, pois, na maioria das vezes, ele não possui aquele elemento de imprecisão típico da brincadeira onde não se tem domínio e garantia do que vai acontecer e por isso fascina tanto as crianças.

Na atualidade, a concepção de Brinquedoteca nas escolas deve atender a todos os envolvidos no meio educacional, pois as atividades lúdicas são concebidas em qualquer idade, mesmo que nesta haja apenas brinquedos ditos infantis. Como ressalta Santos (2000, p. 58), "o lúdico precisa ser concebido na sociedade atual com uma conotação que extrapola a infância, pois os jogos e brincadeiras não são privilégios somente das crianças". A autora reforça, que o ambiente lúdico deve favorecer a todas as fases de desenvolvimento do ser humano em todos os âmbitos do trabalho, da educação e da vida.

As pesquisas realizadas por Santos (2000, p. 62) destacam que, "as escolas que possuem brinquedotecas tem mostrado que o jogo e o brinquedo são estratégias poderosas para a construção de conhecimentos, tendo em vista os desafios proporcionados pelo lúdico". Sendo assim, concluímos que a Brinquedoteca por fazer parte da práxis pedagógica do docente, valoriza a espontaneidade da criança. O professor deve aproveitar destes momentos para observar, conhecer e até mesmo avaliar o educando, significativamente, no intuito de favorecer a formação do aluno.

Fica evidente no relato de Santos (op cit) que a principal função da Brinquedoteca nos dias atuais deve ser,


[...] apenas laboratório criado para a criança, onde é ela livre para brincar e o profissional, para pensar, discutir, analisar e pesquisar o valor do brinquedo no seu desenvolvimento. Da mesma forma, é um equívoco pensar que a finalidade da brinquedoteca é atender somente o público pré-escolar. A função da brinquedoteca, na atualidade, quando as crianças têm cada vez menos tempo e espaço para brincar e, os adultos não exercerem a sua ludicidade é de, sobretudo, proporcionar espaços lúdicos.


Em suma, a Brinquedoteca, deve ser entendida como um local que propicia a construção e reelaboração de aprendizagens, no qual brincar e aprender são considerados por conta da estrutura criativa e lúdica, sinônimos e inerentes ao ser humano. Sendo assim, exercer a ludicidade neste meio educacional é de suma importância para o educando, pois o mesmo consegue transferir para suas interações e vivências os significados relacionados à sua cultura, aos seus valores morais e conceitos num espaço contextualizado.

4 A IMPORTÂNCIA DA BRINQUEDOTECA NA INSTITUIÇÃO EDUCACIONAL COMO ESPAÇO MEDIADOR DE APRENDIZAGENS

"A brinquedoteca tem magia, encanto, beleza, alegria,
 [...] (CUNHA, 2001)".


Após intensas modificações quanto às intenções e funções do brincar e sua relação com o aprender, o brincar atualmente, configura sua relevância à aprendizagem na infância, devido às influências de muitos estudiosos e pesquisadores, que realizaram pesquisas científicas com o interesse de comprovar se o lúdico realmente beneficia o processo ensino-aprendizagem, o que resultou no reconhecimento deste como elemento primordial e decisivo na infância que influencia na formação do ser humano no meio educacional, apesar das barreiras existentes, como: a falta de espaços, objetos e disponibilidade de tempo pela sobrecarga de conteúdos, que limitam esta ação na escola.

No entanto, a escola é agente de transformação que sofre intensas mudanças culturais e sociais, com a função de propiciar a construção do ser humano e, inserir espaços que proporcionam ações concretas e significativas na formação do educando. Mas, a discussão torna-se mais ampla quando objetiva-se nesta, valorizar a atividade lúdica no contexto escolar, reconhecendo a importância em articular o aprender e brincar para mediar conhecimentos e habilidades, requisitos básicos para construção do ser humano autônomo e autosuficiente para sua sobrevivência no mundo.

Neste sentido, a Brinquedoteca na escola deve objetivar o ir além da infância, envolvendo toda a comunidade escolar, pois, além de ser um espaço de educação, é também de apreciação de brincadeiras, de compreensão e identificação de comportamentos adotados pelos participantes, para melhor conhecê-los.

Segundo Puga e Silva (2008, p. 1), a Brinquedoteca contempla os seguintes objetivos educacionais:

[...] resgatar para o âmbito da escola o caráter lúdico das atividades pedagógicas; oferecer para a criança no seu espaço escolar uma variedade de brinquedos; estimular a interação entre pais e filhos por meio dos jogos; valorizar o ato de brincar, respeitando a liberdade, a criatividade e a autonomia, possibilitando assim a formação do autoconceito positivo da criança; resgatar a brincadeira na vida do educando para a salvaguarda infantil; permitir a liberdade conscientizar pais e professores sobre a importância do brinquedo para a criança e o significado que ele tem para o seu desenvolvimento afetivo, social, cognitivo e físico.


Desta forma, este espaço lúdico vem se concretizando a cada dia, como espaço privilegiado para a criança vivenciar situações que exijam o cumprimento de obrigações e deveres subjetivamente de acordo com a realidade contextualizada no espaço onde esteja instalada.

Segundo Hypolitto (2001, p. 176), a presença da Brinquedoteca no meio institucional, "não deverá existir apenas para distrair as crianças, mas sim deverá preocupar-se com a formação do ser humano integral e com o período de vida no qual ele está sendo cultivado".

Anterior   Próxima

Voltar para a primeira página deste artigo

Como referenciar: "Estudo Sobre a Importância da Brinquedoteca no Ambiente Escolar como Espaço Mediador de Aprendizagens, Sob o Ponto de Vista dos Professores da Rede Municipal de Ensino do Cornélio Procópio" em Só Pedagogia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2024. Consultado em 12/07/2024 às 07:46. Disponível na Internet em http://www.pedagogia.com.br/artigos/importanciadabrinquedoteca1/?pagina=4