Você está em Artigos

Inclusão, Avaliação e Autismo

Autor: Priscila Romero
Data: 08/07/2020

Hoje, sabemos que autismo é um transtorno neurológico que acarreta prejuízos nas funções sociais, comunicativas e comportamentais. Apesar de ser classificado como um espectro e tais indivíduos não apresentarem sempre as mesmas características, podemos dizer que: demonstram comportamentos que variam entre a fala repetida e o mutismo, a hiperatividade e ausência de atividade; disfunções sensoriais; dificuldades para entender metáforas, ironias, expressões faciais e corporais; além de prejuízos na coordenação motora.

A Educação Especial, por muitos anos, seguiu separadamente ao ensino regular, dito dos "normais”. A Constituição da República, de 1988, reafirmou que "todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza” e estipulou os direitos sociais do homem, sendo o direito à educação o primeiro a ser mencionado.   A Lei Máxima também assegurou a "igualdade de condições para o acesso e permanência na escola”, e a garantia de "atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino”.

Infelizmente, notamos que poucas escolas se prepararam para receber alunos "especiais”. A maioria das instituições da rede privada ainda exclui esse alunado. E de todos os obstáculos gerados por ausência de conhecimento, percebemos que a avaliação desses alunos ainda é a maior de todas as dúvidas.

Ainda hoje, adotamos o modelo estrutural de escola firmado no século XVI. Para acompanhar a aprendizagem dos educandos "normais”, criou-se a avaliação em forma de exame - ação, meramente, classificatória.

Mas o que será avaliação? Simplesmente, verificar o conhecimento do aluno, em um único momento, excluindo-o do processo ensino-aprendizagem? Ou será algo amplo e complexo, que acolhe e inclui o discente?

Na verdade, a função da avaliação é garantir o sucesso do processo educacional. E o professor deve encarar a prática avaliativa, também, como ferramenta de retorno sobre seu trabalho.

Como profissional de Pedagogia e Especialista em Educação Especial/Inclusiva, não posso deixar de mencionar alguns documentos que nos dão bases para trabalhar em sala de aula.

Saberes e Práticas da Inclusão (MEC) reforçam o pensamento sobre revermos as práticas avaliativas, pois as mesmas continuam sendo tradicionais, normativas, padronizadas e classificatórias. A avaliação deve estar a serviço da criação de apoios ao progresso de todos. Avaliação tem como finalidade conhecer para intervir, de modo preventivo e/ou remediativo, sobre as variáveis identificadas como barreiras para a aprendizagem e para a participação.

Também é interessante estudar as Diretrizes Nacionais de Educação Especial, uma vez que estas retratam a avaliação como um processo permanente de análise das variáveis que interferem no sistema, cuja finalidade é identificar potencialidades e necessidades dos alunos e as condições da escola para respondê-las. Vemos a importância do compromisso de toda a instituição educacional!

E os PCNs nos lembram que toda avaliação só pode ocorrer uma vez relacionada com as oportunidades oferecidas, levando em conta os desafios que todos os alunos estão em condições de enfrentar.
  Próxima
Como referenciar: "Inclusão, Avaliação e Autismo" em Só Pedagogia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2020. Consultado em 23/09/2020 às 10:03. Disponível na Internet em http://www.pedagogia.com.br/artigos/inclusao_autismo/

Divirta-se com o LOBIS HOMEM

O SONHO DE SER CANTOR

SOFRENDO COM A LÍNGUA PORTUGUESA