Você está em Artigos

O Perfil do Professor no Século XXI (página 4)

4. NOVOS PARADIGMAS EDUCACIONAIS

Perrenoud (2000), aponta que é necessário a busca por parte do docente do domínio de competências técnicas profissionais capazes de possibilitar uma mudança de concepção que venha de encontro as necessidades educacionais deste milênio. Dentre elas estão as competências básicas que cabem ao educador:

- Organizar e animar situações de aprendizagem;
- Gerir a progressão das aprendizagens: conceber e gerir situações-problema ajustadas aos níveis e possibilidades dos alunos;
- Conceber e fazer evoluir dispositivos de diferenciação: gerir a heterogeneidade dentro de uma classe;
- Implicar os alunos em sua aprendizagem e em seu trabalho: suscitar o desejo de aprender, explicitar a relação com os conhecimentos, o sentido do trabalho escolar e desenvolver a capacidade de auto avaliação na criança;
- Trabalhar em equipe: elaborar um projeto de equipe, representações comuns;
- Participar da gestão da escola: elaborar, negociar um projeto da escola;
- Informar e implicar os pais: animar reuniões de informação e de debate;
- Utilizar tecnologias novas: utilizar softwares de edição de documentos;
- Enfrentar os deveres e os dilemas éticos da profissão;
- Gerir sua própria formação contínua.

Dentro dessas premissas de competências profissionais fundamentais ao docente do século XXI, evidencia-se a discussão acerca da formação do educador, desde sua formação inicial aos processos de formação continuada, que possibilite ao professor uma tomada de posição capaz de enriquecer a sua prática, e propiciar mudanças em sua prática profissional que venham ao encontro dos grandes desafios educacionais contemporâneos. Sob esta perspectiva Perrenoud (1999), afirma que:

A reflexão possibilita transformar o mal-estar, a revolta, o desânimo, em problemas, os quais podem ser diagnosticados e até resolvidos com mais consciência, com mais método. Ou seja, uma prática reflexiva nas reuniões pedagógicas, nas entrevistas com a coordenação pedagógica, nos cursos de aperfeiçoamento, nos conselhos de classe, etc. - leva a uma relação ativa e não queixosa com os problemas e dificuldades.

Nessa premissa de Perrenoud, é importante frisar que a formação continuada, é um caminho que não se esgota somente num curso de atualização, mas deve ser encarada como um processo contínuo a ser construído no cotidiano escolar sob gestão do professor e dos sistemas de ensino nos quais encontram-se ligados. Observa-se que na atual conjuntura, os cursos de formação continuada se dão em cursinhos de curta duração, simpósios e reuniões muitas vezes centrados num prontuário teórico, quando na realidade precisam estar centrados na perspectiva de possibilitar novos rumos ao professor e promover a melhoria continua da gestão das aprendizagens.

Anterior   Próxima

Voltar para a primeira página deste artigo

Como referenciar: "O Perfil do Professor no Século XXI" em Só Pedagogia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2020. Consultado em 23/09/2020 às 10:56. Disponível na Internet em http://www.pedagogia.com.br/artigos/o_perfil_do_professor/?pagina=3

Divirta-se com o LOBIS HOMEM

O SONHO DE SER CANTOR

SOFRENDO COM A LÍNGUA PORTUGUESA